Concurso Censo 2021: saiba como simular a remuneração do cargo de recenseador

Recenseadores recebem por produção e não têm piso. Inscrições para o cargo, que tem mais de 188,8 mil vagas, foram abertas nesta terça-feira (23) e vão até o dia 19 de março.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou, na manhã desta terça-feira (23) um simulador online da remuneração dos recenseadores que serão contratados, mediante concurso público, para atuar no Censo 2021. As inscrições para o cargo, que tem 188.898 vagas, também foram abertas nesta manhã e vão até o dia 19 de março, na internet e tem taxa no valor de R$ 25,77.

Os candidatos ao cargo de recenseador precisam ter ensino fundamental completo. Eles são os profissionais que visitarão todos os domicílios do país, entrevistando os moradores, e serão remunerados pela produção, de acordo com o número de domicílios visitados e questionários respondidos.

simulador disponibilizado pelo IBGE calcula quanto o recenseador vai receber de acordo com a quantidade de residências visitadas e pessoas entrevistadas, considerando a taxa de remuneração de cada setor censitário, o tipo de questionário preenchido (básico ou amostra) e o registro no controle da coleta de dados.

“Lembramos que trata-se apenas de uma estimativa e que os valores apresentados na simulação não representam exatamente a sua remuneração remuneração futura”, destacou o IBGE.

Como usar o simulador

Para simular a remuneração, basta ao candidato acessar o site do concurso e informar o município onde quer atuar e a quantidade de horas que pretende dedicar ao trabalho. O IBGE recomenda que a jornada de trabalho dos recenseadores seja de, no mínimo, 25 horas semanais.

“Quanto mais domicílios visitar e pessoas entrevistar, maior a remuneração. O recenseador pode trabalhar em qualquer horário, especialmente naqueles em que pode encontrar os moradores em casa, incluindo finais de semana e feriados”, explicou o coordenador de Recursos Humanos do IBGE, Bruno Malheiros.

Ao fazer a inscrição ao concurso, o candidato informa em qual município quer trabalhar. A taxa de remuneração varia de acordo com o local escolhido, que é chamado de “setor censitário”.

“Por exemplo, um recenseador que atua numa área urbana tem mais facilidade de locomoção do que um recenseador que for visitar domicílios em uma comunidade ribeirinha isolada”, apontou Malheiros.

Como exemplo, o IBGE mostrou que um recenseador que optar por trabalhar no município de Carauari, em plena Floresta Amazônica, onde só se chega de barco ou avião, pode receber remuneração mensal média de R$ 1.853,12, cumprindo jornada de 25 horas semanais. Já em São Paulo, cidade mais populosa do país, um recenseador que cumprir a mesma carga horária pode receber R$ 1.629,76 por mês.

Em média, há 300 domicílios por setor censitário. O tempo de coleta de um setor varia segundo suas características e o tempo diário que o recenseador dedica ao trabalho. É possível que um recenseador consiga completar mais de um setor ao longo do período da coleta.

O IBGE oferecerá uma de ajuda de locomoção para custear as despesas com deslocamento do recenseador para realização do trabalho. Além da ajuda de custo e da remuneração mensal, o recenseador também terá direito a 13º salário e às férias proporcionais aos dias trabalhados e à produção.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui